22 de mai de 2009

A minha demanda pela invisibilidade começou há relativamente pouco tempo, e persistirá até aos meus efémeros últimos dias de vida. O que significa que nunca encontrarei uma resposta. Porra...

De qualquer maneira, o entusiasmo por esta matéria não me abandona, de maneiras que continuo à procura da invisibilidade à larga escala.


E aqui está o que eu descobri:

Ouro invisível

"As nanopartículas de ouro não tinham sido identificadas antes porque elas são transparentes aos feixes de electrões e são efetivamente invisíveis," diz o Dr. Hough.

Os cristais normais de ouro encontrados nos chamados aluviões apareceram sempre nos microscópios cercados por uma camada escura cuja composição era desconhecida. O que o Dr. Hough descobriu é que essa banda escura é formada por cristais de ouro invisível.

A descoberta é importante para a indústria porque as nanopartículas e nanoplacas que o ouro invisível forma possuem propriedades físico-químicas diferentes dos cristais tradicionais de ouro, permitindo que ele seja estudado com vistas a aplicações tecnológicas.

Essas propriedades são semelhantes às do ouro coloidal, que é produzido de forma sintética e já vem sendo utilizado em testes promissores para a detecção de tumores cancerígenos.


Agora só me resta descobrir qual a composição deste tipo de ouro.

E há mais!

Metamateriais poderão criar "manto da invisibilidade"

"A camuflagem funcionará como se você tivesse aberto um buraco no espaço," diz o Dr. Smith. "Toda a luz ou qualquer outra onda electromagnética será capturada ao redor da área e guiada pelo metamaterial, emergindo do outro lado como se tivesse passado através de um volume vazio do espaço."

Ao contrário de um buraco negro, do qual nenhuma luz escapa, qualquer coisa feita com o metamaterial se tornará um "buraco branco", algo através do qual qualquer radiação - aí incluída a luz visível - atravessará incólume, sem reflexão. As ondas electromagnéticas fluirão ao redor do objecto camuflado da mesma forma que as águas de um rio fluem ao redor de uma rocha no meio.

Eu bem que desconfiava dos buracos negros...



"Olha este!"


***


Lulz Catz!